Desatino

  • 0
Com meu caso, caso;
E minha vida, vejo;

Por meu amor, peco;
Um gole, peço;

Em pecado desatino,
Destino.

Santíssima força;
Forca.

Que me sufoca,
Lota.

E que me enche, treme;
Uma vida, beijo.

Desserviço

  • 0
IDIOTICE
IDIOT
IDIO
ÓDIO.

Imensidão*

  • 0
Estou segura que,
Para cada gota,
Para cada gota que cairá,
Uma nova flor nascerá,
E, sobre esta flor,
Uma borboleta voará.

Estou segura que,
Nesta grande imensidão,
Alguém pensa um pouco em mim
E não me esquecerá.

Eu sei,
Que toda a vida sempre só eu não serei,
E um dia encontrarei
Um pouco de amor também para mim,
Para mim que sou uma nulidade
Na imensidão.

Sim,
Eu sei.
Que toda a vida sempre só eu não serei,
E um dia eu saberei,
O que é ser um pequeno pensamento
Na grande imensidão,
Acontecerá.

Na imensidão.
Na imensidão.

*Tradução feita por mim da música italiana "L'immensità", da banda Negramaro.



Quando eu...

  • 0
Quando eu começo um desafio novo, fico morrendo de medo de não conseguir suprir as minhas expectativas, mas o tempo passa e, pouco depois, vejo-me completamente absorvida por algo que, até então, parecia-me impossível.

Um lugar no universo

  • 0
Eu vejo e eu escuto
Cada coisa em seu lugar.
Eu percebo e eu sinto
Cada pessoa trocar de lugar.

Cada frase esquecida,
Cada oração interdita,
Cada aventura não cumprida,
Cada sensatez inaudita:
E eu vejo tudo trocar de lugar.

Para ser perfeito:
Tem de ver direito,
Tem de ser direto.
E tem de sair de jeito.

Através do Vidro Escuro

  • 0
Por ocasião da semana do escritor, um trecho do capítulo 2 de "Através do Vidro Escuro", intitulado "Da identidade". Trata-se da apresentação da personagem principal, chamada de "Perdição".

[...]

Tudo fora traçado pelo destino. Depois de muito tempo ela percebeu que apesar de não haver nada de fantasmagórico em sua vida, havia algo muito de estranho em si mesma.

[...]

Minha casa é o mundo e meu espaço é tudo o que existe, até a própria inexistência. Sentimento é um abstrato que toma cor e forma, é como se uma poesia pudesse virar pessoa: se eu fosse uma poesia, seria daquelas de horror. Oh, como peco. E carrego pesos como um atleta que deve sempre aumentar sua carga diária para que possa com isso aumentar os seus níveis de resistência. E tudo isso se desenha de maneira que todos percebam que o que houve ontem já é pouco demais para mim. E hoje é menos que amanhã.

[...]

Os dias são números, números que vagueiam e preenchem a minha mente por trás do Vidro. Vidro fosco com interstícios de visões do outro lado. Minha cabina de proteção é formada pelo fosco e pelo transparente. Meu transparente é tão errado que quase tem cor. Sou a não cor e sou o negro e o negro não é a falta de cor.

Eu amo a segunda-feira

  • 0
Não é somente um dia da semana

Sou do signo de “extremos”;
tenho ascendente em “incômodos”.
Sextas, as sextas, sempre boas;
a segunda-feira, minha amiga, sempre um inferno.
Mas não é a "segunda",
o inferno são os outros, alguém já disse.
Linda é a segunda.

E agora?
Podemos falar de sextas tristes?