As Pedras Choram...

  • 11
Eu só queria te contar,
Como pretendo terminar aquela velha canção.
Aquele tema usual, feriu-me todas as emoções
As que não temos e as que já vivemos.

Já escrevi conversas,
Do que sinto transparecer nos interistícios do vento.
E, nem a ameaça vai derrubar nossa casa trincada,
Nossa canção murmurada.

Como um pouco, uma faísca da parte que nao se entendeu de nós
Ameaçava de repente acabar com a parte verdadeira de nós?

Descobri que eu ando sem poder mais entender.

Experimental

  • 15
Nada é melhor que te espiar, decodificar suas expressões e transformá-las em melodia feliz para invadir meu peito.

Você disse: - Eu sei.
Eu confirmei: - Eu sei, tão grande amor, experimentei.

Não é bom te ver partir, mas tudo se transforma quando você ameaça voltar.

E uma melodia suave aponta em tudo o que faço.

Uma Estrela

  • 13
Ela abre à janela a noitinha pouco antes de dormir, ela vê todos os dias se passarem por ali, e, no mesmo lugar de sempre em tempos diferentes. O tempo muda tudo, ou parte de tudo, sequer alguém percebe.
Nas noites chuvosas ela não a vê, não vê a estrela que brilha por trás das nuvens, e, não se vê brilhando mesmo quando quase se encontra apagada. Mas, foi nesse dia que ela percebeu, que mesmo apagada para os outros, a estrela continua acesa em si mesmo, e a neblina não destrói isso.
Mas ela prefere observar a estrela. Iluminando a chama do mundo à noite. Brilha mais do que as luzes da cidade – que poucos olhos vêem –, ela brilha para o mundo.

Isso não é para fazer pensar, é simples como a estrela que a noite despontará.